Notícias

21.12.2017

Golfe na ABGS: a paixão de avô para neto, que prepara as novas gerações do esporte

peter-brinkmann-e-familia-648

Depois de começar no golfe aos 62 anos, Peter Brinkmann dedica-se agora incentivar a família

 

 

 

Na foto, os netos Felipe e Lara, com suas medalhas do Brasil Kids Golf Tour, com o primo Lucas no centro. Atrás, Margrit, Áureo, Peter e Anke. Fotos: Thais Pastor/F2 Comunicação

 

por: Ricardo Fonseca

 

Peter Brinkmann, um dos mais ativos associados da Associação Brasileira de Golfe Sênior (ABGS) só começou a jogar golfe aos 62 anos, quando se aposentou. Ele se filiou à ABGS em 1998 e, em pouco tempo, conheceu as maravilhas de golfe sênior e abandonou o tênis, seu esporte até então. Peter não conseguiu convencer a esposa, Margrit, a trocar o tênis pelo golfe, mas levou a paixão pelo golfe para o restante da família.

Peter Brinkmann em ação na ABGS

Peter Brinkmann em ação na ABGS

As duas filhas de Peter Brinkmann não se interessaram muito pelo golfe, mas ele apresentou o esporte ao genro, Peter Steinhoff, casado, Kekaa, que começou a jogar golfe com ele, no Clube de Campo e também se apaixonou pelo golfe, embora o trabalho não lhe permita dedicar mais tempo ao esporte. Por isso o neto Lucas Steinhoff, de 15 anos, filho de Peter Steinhoff e Kekaa, começou a treinar com o avô. Depois vieram os outros dois netos, os gêmeos Lara e Felipe Brinkmann Fittipaldi, ambos com oito anos, de sua filha Anke e Aúreo Fittipaldi.

Netos – “O primeiro neto que ensinei golfe foi o Lucas, que começou comigo há cinco anos e hoje já tem handicap 5 e foi convidado recentemente para integrar a equipe juvenil do São Paulo GC”, conta Peter. “Treinamos juntos toda semana, durante todo ano, e hoje ele é o campeão da família ganha de todos nós”, orgulha-se. Quando os gêmeos nasceram Felipe Fittipaldi passou a treinar com Peter e Felipe toda a quinta-feira, no Clube de Campo.

“Lara não se interessava pelo golfe, mas este ano ela se rendeu ao golfe e se juntou a nós”, conta o avô, que os acompanhou nas etapas do Brasil Kids Golf Tour e viu ambos se destacarem. “Felipe venceu as cinco etapas do circuito para ser o campeão geral de 2017 do Brasil Kids, na categoria masculina de 8 anos, e Lara foi medalha de bronze na classificação geral da categoria feminina de 8 e 9 anos”, orgulha-se. “Diante de tanto sucesso dos netos acho que posso me aposentar tranquilamente, pois o futuro do golfe da família está garantido”!

ABGS – Quando não está jogando no Clube de Campo, onde é sócio há 36 anos, ou se dedicando aos netos, Peter Brinkmann, que está para completar 84 anos, procura jogar todos os torneios da ABGS que pode. Ele se orgulha de ter participado da equipe da ABGS que conquistou o primeiro título do Mundial Sênior para o Brasil, em 2004, na Califórnia, nos EUA. “Foi uma semana em que tudo deu certo para nosso time”, conta. “Já havíamos jogado bem no Mundial, mas aquela foi a primeira vez que o Brasil ganhou o título principal, a Copa das Nações”.

Para Peter, a ABGS foi a melhor coisa que poderia lhe acontecer no golfe. “Nas competições seniores temos a satisfação de reencontrar os amigos de outros clubes e até de outros estados regularmente, até mais de uma vez por mês”, explica Peter. “Depois de apesentados, o golfe nos mantêm competitivos, mas uma competição agradável, que termina no Buraco 19, com um drink.”

Renovação – Peter, que aos 84 anos ainda continua ativo no golfe, viu muitos de seus amigos irem parando com o esporte, por não poderem mais jogar, e vê com bons olhos a recente mudança do regulamento da ABGS que ampliou a categoria pré-sênior para os de 40 a 54 anos. “Os pré-seniores de hoje serão os seniores de amanhã e vão descobrir que se joga mais golfe nesta idade, pois não temos mais a concorrência do trabalho”.

Peter diz que hoje não hesita em recomendar o golfe, e em especial o golfe sênior, para todos. “Através das viagens da ABGS e dos Sul-Americanos, onde sempre viajo com a companhia de Margrit, nos divertimos muito, jogamos golfe e participamos de festas incríveis, além de esses torneios me terem propiciado conhecer muitos e muitos países”, conta.

Compartilhe: