Notícias

09.04.2022

Taça Caipira: Paul O’Doherty faz melhor volta da semana para vencer de virada

grego-premia-paul

Ele já havia deixado escapar o título do Aberto ABGS de SP nos dois anos anteriores

 

 

Grego entrega o troféu de campeão a Paul. Fotos: Thais Pastor/F2 Assessoria

(Nova versão, corrigindo os resultados da sênior 14,1 a 23)

Paulo O’Doherty, do São Paulo Golf Club, estava com o título da Taça Caipira – o Aberto ABGS do Interior do Estado de São Paulo entalado na garganta. Em 2020, no primeiro ano deste torneio, que é um dos mais concorridos da Associação Brasileira de Golfe Sênior, ele estava empatado em primeiro até Douglas Black, o Doug, do Sapezal embocar um birdie de 12 metros no 18 para vencer por uma. Em 2021, Paul liderava por quatro tacadas até bater dois drives fora de campo no penúltimo buraco e perder para Mario Ghisalberti, do Japy.

album-caipira-2022Veja as fotos de premiação
Aguarde – neste mesmo link – álbum completo

A Taça Caipira é jogada em dois dos melhores campos do Estado, distantes 90 km entre si: o Ipê Golf Club de Ribeirão Preto e o Damha Golf Club, de São Carlos. Em suas duas primeiras edições, jogava-se primeiro no Damha e depois no Ipê. Este ano, inverteu-se a ordem, com a rodada inicial em Ribeirão, às 11 horas, quando todos tiveram que enfrentar uma tarde quente e abafada, com temperaturas beirando os 35º C. Ninguém conseguiu jogar bem, nem quebrar as 80 tacadas.

Virada – Doug saiu na frente ao jogar 82 tacadas, dez acima. Paul vinha logo atrás, com 83, seguido por Marcos Semensato, de Bauru, com 85, e por dois jogadores do Arujá, com 87: Ramiro Yabumoto e Eduardo Nagao. A seguir, com 88, vinham Frank Wisbrun, do São Paulo; Seizo Yano, o novo presidente do PL, e Lyn Ahn, do Guarapiranga. Ghisalberti, que defendia o título, começou mal e depois de bater duas bolas fora de campo seguidas no buraco 4, onde fez um 10, nunca mais se recuperou e jogou 90, 18 acima, estreando em 11º lugar.

A volta final, domingo, a partir das 9 horas, no Damha, foi jogada com temperaturas mais agradáveis, apesar do calor ter voltado forte no meio do jogo. Desta vez, Paul foi imbatível. Jogou uma acima em cada metade do campo para terminar com duas acima do par, melhor volta do torneio, para ser campeão com 157 (83-74) tacadas. Doug terminou em segundo, com 160 (82-78), seguido por Caio Najm, do São Paulo, com 165 (87-78), e por Semensato, com 166 (85-81). Ghisalberti melhorou 13 tacadas em relação à estreia para ainda terminar em quinto, com 167 (90-77). O torneio valeu também para o ranking scratch sênior da Federação Paulista de Golfe.

Paul, que é irlandês, comemorou a vitória, ao lado do amigo e arquirrival do golfe Doug, Escocês, contando um tradicional música de seu país, com a taça numa mão e uma garrafa de cerveja, na outra. A cena foi uma alusão à comemoração que o irlandês Shane Lowry fez em 2019, em um pub, logo depois de vencer o The Open, de 2019, um dos majors do golfe mundial, no campo do Royal Portrush, na Irlanda do Norte.

Handicaps e Idades – Na classificação por handicaps índex até 14, o campeão foi Semensato, com 145 (74-71), seguido por Wisbrun, com 149 (76-73) e por Almira Oliveira, do Damha, com 150 (81-69). Yano também jogou 150 (75-75), mas perdeu o troféu de terceiro lugar por ter jogado pior na volta final. Na 14,1 a 23, venceu Francisco Matarazzo, do São Francisco, com 148 (77-71), mesmo total de Francisco Silveira, do Damha (76-72) que ficou em segundo nos critérios de desempate. Mauro Pinheiro, com 150 (74-76), foi o terceiro colocado.

Na 23,1 a 32, no sistema Stableford, o campeão foi Eduardo Gunther de Figueiredo, do São Paulo Futebol Clube, com 67 pontos, seguido por Moacir Tonani, do Ipê, com 64, e por Luiz Fernando Cunha, diretamente filiado à FPGolfe, com 63. Também stableford foram as categorias por idade, vencidas por Ghisalberti, na 55 a 60 anos, com 63 pontos; Valdemir Prado, do Ipê, na 61 a 65 anos, com 65 pontos; Yano, na 66 a 70 anos, com 65 pontos (superou Mauro Pinheiro, de Bauru, nos critérios de desempate; José Roberto Carvalho, do Ipê, na 71 a 75 anos, com 61 pontos; e Osvaldo Graciani, do Quinta do Golfe, com 62.

Pré-Sênior e feminino – Na categoria scratch pré-sênior (40 a 54 anos), que também valeu para o ranking da FPGolfe, o campeão foi Otávio Augusto de Lima, de Bastos, com 163 (86-77) tacadas. Na classificação por handicaps até 14 ganhou José Montes Magalhães Jr., de Brasília, com 160 (86-74); e na 14’1 a 32, Pieter Alexander Lekkerkerk, da Holanda, com 148 (74-74).

No feminino, foram duas as categorias. Ângela Rappa Santos, do Fazenda da Grama, foi a campeã scratch com 165 (83-82), seguida por Daisy In In, do Guarapiranga, com 179 (83-96). Na categoria até 25, a campeã foi Rosângela Valadão Dadalto, da Federação Baiana, Capixaba e Mineira de Golfe, com 158 (81-77) tacadas.

Houve ainda categorias para convidados vencidas por Eduardo Zanello, do Ipê, na até 14, com 161 (79-82) tacadas, e por José Carlos Marum, do Ipê, na 14,1 a 32, com 67 pontos (Stableford).

Premiação – Constantino Ajimasto Júnior, o Grego, presidente da ABGS, do Damha, que estava em viagem, conseguiu chegar a tempo de participar da rodada final, e entregou os prêmios ao lado de seus vice-presidentes Fernando Braga (Técnico) e Sérgio Del Porto (Administrativo) e de Alexandre Leonardi, da Guariroba, diretor Pré-sênior da entidade. Wilney de Almeida Prado, Ouvidor da ABGS, também jogou, ao lado de muitos outros membros da diretoria.

 

 

 

Compartilhe:

próximos Torneios